Archive: Aprimorando A Formação

Aprimorando A Formação: Ministrar o Módulo Básico

IMG-20171220-WA0007

Ministrar o Módulo Básico

 

 

  •  O Convite à Formação Básica

 

 

A nós formadores foi concedida a missão de ministrar o Módulo Básico, esta série de conteúdos que tem como objetivo levar o povo de Deus a sedimentar sua fé na doutrina da Igreja e a conhecer a beleza da identidade do nosso movimento. Ensinar é um ato de amor, por isso, o próprio Jesus se dedicava ao ensino. A Sagrada Escritura nos demonstra: “As multidões voltaram a segui-lo pelo caminho e de novo ele pôs-se a ensiná-las, como era seu costume.” (Mc 10, 1b). Sendo assim, aprendendo com o Mestre, devemos ensinar como manifestação de amor aos irmãos, assumindo o nosso ministério como doação, respondendo ao chamado que o Senhor nos fez. Nem sempre esta missão é fácil. Muitas vezes, encontramos algumas resistências baseadas em conceitos equivocados sobre a formação. O que fazer diante disto? Como transpor tais barreiras?

 

A Palavra de Deus vem nos iluminar: “Certa é esta doutrina, e quero que a ensines com constância e firmeza, para que os que abraçaram a fé em Deus se esforcem por se aperfeiçoar na prática do bem. Isto é bom e útil aos homens.” (Tt 3,8). E ainda: “É pela vossa constância que alcançareis a vossa salvação.” (Lc 21, 19). Devemos ser constantes e firmes, não desistir, não esmorecer, prosseguir, sempre e sempre. Anunciar com destemor e insistência a necessidade da formação na vida do cristão. Porém, nos é necessária uma cautela: que a firmeza não se torne dureza, que a nossa linguagem não gere nas pessoas uma aversão à formação, para que obrigação não se sobreponha ao amor. Para falar da formação precisamos do auxílio de Nossa Advogada, a Virgem Maria, para que nos ensine a falar com doçura, mas também com firmeza… coisa que mãe sabe muito bem. Seguir o Processo Formativo não é apenas um critério estabelecido pelo movimento. A sequência determinada tem um sentido: conduzir as pessoas gradativamente ao amadurecimento da fé. Passar pela formação básica é, portanto, condição necessária para a formação específica. Precisamos mostrar que a formação básica é agradável, frutuosa e por que não dizer apaixonante, já que, quando amamos, queremos conhecer mais sobre o amado. Por isso, devemos sempre nos submeter ao Espírito Santo para que o convite à formação chegue aos corações.

 

 

  • O Módulo Básico

 

Após receber o querigma, o participante da RCC é convidado a ingressar na Formação Básica onde será aplicado o Módulo Básico.

 

Ministrar a Formação Básica é a atribuição principal do Ministério de Formação e uma etapa importantíssima para todos os membros da RCC. Ela gera nos formandos uma convicção profunda da missão a exercer na Igreja.

Mergulhamos na Identidade da RCC descobrindo o chamado de Deus para nós. Aprofundando nos elementos de nossa identidade conhecendo mais sobre os Carismas. Somos impactados pela apostila Grupo de Oração, célula principal do movimento. Em seguida, contemplamos a importância da Oração, como alimento da nossa alma que nos leva a busca da Santidade para então, pelo Espírito, vivermos a Liderança em Serviço na RCC. Então, nos debruçamos no entendimento do que é a Igreja que o Senhor constituiu como sua esposa, para depois encerrarmos este processo aprendendo sobre o papel do cristão na sociedade por meio da Doutrina Social.

 

Intercalando com os temas citados, temos a Formação Humana (Encontro com Deus, Encontro comigo mesmo e Encontro com os Outros) que deve ser ministrado em formato de encontro de final de semana. Estes encontros levam os participantes ao processo de autoconhecimento e cura interior essenciais para o equilíbrio emocional do ser humano.

 

 

  • Cuidados na aplicação do Módulo Básico

 

- Explicar a importância de seguir o Processo Formativo.

- Cuidar para que os formadores exerçam o ministério com a unção do Espirito Santo e não somente com seus conhecimentos pessoais. Que atuem com autoridade espiritual baseada no testemunho de vida.

- Proporcionar aos irmãos formações dinâmicas, claras, profundas e que transmitam genuinamente a verdade da fé.

- Viver em unidade com os direcionamentos da RCC (nacional, estadual, diocesana e demais instâncias).

- Zelar pela frequência dos formandos.

 

 

  • Depender do Senhor

 

Nunca podemos nos esquecer que somos servos e nada mais. Ele é o Senhor! A nós compete transmitir aquilo que recebemos por misericórdia. Servir a Jesus no Ministério de Formação deve ser para nós uma honra e uma responsabilidade, já que nunca seremos dignos de tamanha graça. Desta forma, precisamos dizer todos os dias, a cada ensino, a cada projeto, a cada evento “Importa que ele cresça e que eu diminua.” (Jo 3, 30).

 

Desta forma, sejamos também nós, formadores, como o barro nas mãos do oleiro e que o Espírito Santo possa encontrar corações dóceis, capazes de levar o povo de Deus a obter uma fé com raízes profundas por meio da formação.

 

Vem Espírito Santo em nosso auxilio!

 

 

Patrícia Marazzi Bandeira Cardoso
Coordenadora da Diocese de Tocantinópolis
Grupo de Oração Magnificat

Aprimorando a Formação: Oficinas Permanentes

IMG-20171220-WA0007

OFICINAS PERMANENTES

 

 

Em Mateus 10,24-25a, na tradução Bíblia do Peregrino, lemos: “O discípulo não está acima do mestre nem o servo acima do senhor. Ao discípulo basta-lhe ser como seu mestre e ao servo como o seu senhor” e nos comentários: “Um princípio da relação do apóstolo com Jesus é nunca deixar de ser servo e discípulo. Aprende para servir e servindo aprende”.

 

 

 

1. Oficina é:

Do latim, officina significa lugar de trabalho. Lugar onde se faz consertos. Lugar onde se fabrica objetos, onde se produzem coisas. Espaço de invenção, criação e descoberta. Consertar, fabricar, inventar, produzir, criar.

 

Para o Ministério de Formação da RCC, Oficina é uma forma de construir conhecimento através, especialmente, da ação, sem perder de vista, porém, a base teórica. É fabricar conhecimentos a partir de situações vivenciadas, por cada um dos participantes e também coletivamente, que possibilitem aprofundar o que se aprendeu na teoria, praticando. Trata-se de um ambiente propício à reflexão, troca de experiências e processo de criação. Entre o pensar e o fazer, há uma grande distância que pode ser vencida pelo exercício do pensar e do criar, pelo incentivo à descoberta de novas facetas do conhecido e à ousadia da reelaboração e construção do novo que o Espírito, e seu dinamismo, nos oferece num trabalho motivante e participativo. O dinamismo avança e as apresentações encantam.

 

 

2. Entre os frutos da Oficina, elencamos:

- Maior vigor para o cumprimento da missão da RCC;
- Melhor desenvoltura e fluidez na fala;
- Melhor assimilação das técnicas, como roteirização, dinâmicas, etc…, ensinadas no Módulo de Formação de Formadores e, consequentemente, mais domínio destas técnicas e mais coragem para coloca-las em prática;
- Superação do medo de falar em público;
- Descoberta de alternativas e estratégias para lidar com as realidades adversas;
- Troca de experiência;
- Esclarecimento de dúvidas;
- Formadores com nova postura, mais maduros e mais seguros de que podem realmente atender ao chamado de Deus para ensinar e formar.
- Com o tempo, maior entusiasmo para participar da própria oficina devido aos frutos colhidos (“gosto de quero mais”).

 

3. Sugestões de temas para as Oficinas Permanentes:

- Carismaticidade e espiritualidade pentecostal.
- A ação do Espírito Santo no formador e no formando;
- Roteirização, Verbalização;
- Dinâmicas de fixação de conteúdo e avaliativas;
- Sanar dúvidas sobre informática básica e sobre ferramentas tecnológicas e ou, cursos que as atualizam (caso seja possível os cursos);
- Trabalhar as apresentações no PowerPoint, Prezzi e outros. Noções básicas de CorelDraw (caso seja possível os cursos);
- Como realizar reuniões ministeriais;
- Oratória contemporânea, etc.

 

 

NOTA IMPORTANTE: Aqui no blog do Ministério de Formação, você encontra a apresentação completa para as OFICINAS PERMANENTES: http://blog.rccbrasil.org.br/formacao/. Divulguemos para os formadores que conhecemos.

 

 

4. Modelo para avaliação do formador nas Oficinas do curso de Formação de Formadores:

tabela

 

5. Conclusão

Boas apresentações com dinamismo e alegria refletem zelo pela obra do Senhor e, portanto, é necessário encontrarmos caminhos onde aprimoramos nossas ações como formadores. Muitos não têm formação acadêmica ou experiência profissional, e nem mesmo informática básica para ministrar ensinos com técnicas pedagógicas elaboradas, nem tampouco conhecimento teológico para dominar todos os assuntos a que somos chamados a ensinar. São desafios a serem enfrentados! A tudo requer predisposição de quem se impõe, como meta, e é isso que almejamos: buscar alternativas de ensino para situações complexas de aprendizagem nos dias de hoje.

 

Destacamos que o envolvimento com mudanças e melhorias constitui tarefa não só de formadores recém-formados no curso de Formação de Formadores, mas do MF e da RCC como um todo. É preciso que nos empenhemos nesse processo apoiando e dando condições de tempo e de espaço para que as Oficinas Permanentes sejam uma realidade com todo o dinamismo que só o Espírito de Deus produz, quando O deixarmos agir!

 

 

Rita Celia da Fonseca Desideri

Coordenadora Estadual do Ministério de Formação do Amazonas

Membro do núcleo nacional do Ministério de Formação

Grupo de Oração Servos de Maria - Arquidiocese de Manaus

Back to Top