Archive: Download

Workshop MF – ENF 2018 – Vida no Espírito – Único Caminho para Viver a Verdade (Reinaldo Bezerra)

pomba-branca-cristao-para-viver-cheio-espirito-santo

Vida no Espírito – Único Caminho para Viver a Verdade

 

A Paz de Jesus, amados formadores e formadoras da RCC Brasil.

 

Continuando nossas postagens a respeito dos temas que foram trabalhados no Workshop do ministério de formação neste ENF 2018, apresentamos o terceiro tema que foi apresentado pelo nosso estimado irmão Reinaldo Bezerra dos Reis, que trouxe pra nós o tema “Viver no Espírito”.

 

Para que não perdêssemos nada deste profundo ensino, optamos por postá-lo na forma de áudio, para que assim pudéssemos beber de tudo que Deus nos transmitiu através deste ensino.

 

 

 

Workshop MF – ENF 2018 – O Grupo de Perseverança (Adirlei Rodrigues)

Logo MF

Grupo de Perseverança

 

  1. 1.    O que é um Grupo de Perseverança (GP)?

O GP é o 3° momento do Grupo de Oração, conforme descreve a apostila ‘Grupo de Oração’ do Módulo Básico. Nele, as pessoas se encontram para rezar, se conhecer, dialogar, falar sobre as coisas da vida e refletir sobre os conteúdos da nossa fé, que não só levam à formação dos participantes, mas também alimentam a reflexão da própria vida junto com os irmãos.

 

  1. 2.    Tem a mesma espiritualidade da RCC

O GP também tem a espiritualidade pentecostal da RCC e do Grupo de Oração (GO). Sendo assim, deve-se sempre, nas suas reuniões, orar, louvar e pedir novas efusões do Espírito Santo, assim como, exercer os carismas.

 

  1. 3.    Como organizar um Grupo de Perseverança?

Cabe à coordenação do GO discernir sobre o momento certo de começar um GP. Uma vez discernido por começar, esta mesma coordenação deve nomear um formador para que fique como responsável pelo GP. Este desempenhará suas atividades em obediência à coordenação do GO e seguindo as orientações da Comissão de Formação para Grupo de Perseverança.

 

O convite para participar do GP pode ser feito a todos os participantes do GO que já fizeram o SVE e a EO. Quem ainda não passou por estas duas etapas, não pode ser convidado para participar do GP. Por ‘participantes do GO’, entendemos todos os que estão no GO, independente de serem servos ou não. É interessante que o número de participantes do GP não passe de 12. Havendo mais de 12 pessoas interessadas, é recomendável que se forme mais de um GP.

 

Os GP’s podem possuir diversas configurações, desde a forma de aplica-lo, a duração, o momento de aplica-lo, etc. É necessário, portanto, que cada GO adeque o GP à sua realidade. Essa adequação deve ser feita com discernimento, em plena unidade com a coordenação do GO e de modo que atenda às orientações da Comissão Nacional de Formação.

 

 

  1. 4.    Quais os frutos do Grupo de Perseverança?
  • Maior conhecimento e vivência da espiritualidade de RCC.
  • Mais entrosamento entre os participantes.
  • Pessoas curadas (fisicamente, emocionalmente, psicologicamente)
  • Crescimento pessoal.
  • Conhecimento da doutrina, aprofundamentos nas verdades da fé, maior conhecimento da Igreja.

 

  1. 5.    Celeiro de servos

O GP dá ao GO a oportunidade de identificar possíveis servos para a Igreja e para a RCC. No GP, pode-se conhecer melhor cada pessoa quanto ao perfil, habilidade e maturidade. Com o passar do tempo, o responsável pelo GP pode perceber os que têm potencial para servir e informar ao coordenador do GO que, dentro do seu papel de pastor, saberá acompanhar e conduzir o irmão conforme a vontade de Deus.

 

  1. 6.    Não há obrigatoriedade

Um GO não é obrigado a ter GP. E quando um GO tem um GP, ninguém é obrigado a participar. Isso pode levantar a pergunta: “Se não é obrigatório, quem participará do GP?” A participação acontece a medida que as pessoas entendem o que é o GP e quais os frutos que ela colherá se dele participar. Por isso, nós, formadores, precisamos tem um grande conhecimento sobre GP para que, assim, estejamos preparados para entusiasmar a coordenação do GO a criar um GP e para motivar seus participantes a fazer parte dele.

 

Vale dizer também que a participação no GP não é condição para que a pessoa possa servir no GO.

 

  1. 7.    Qual é o tempo de duração do GP?

Depois que o GP já refletiu sobre as 2 apostilas que atualmente a RCC oferece como subsídio, o núcleo do GO irá discernir se o GP deve continuar ou não. Obviamente, é salutar que o núcleo do GO dialogue com o responsável pelo GP e com seus participantes, de modo que a decisão promova harmonia e, principalmente, o cumprimento da vontade de Deus.

 

Se continuar, pode-se aplicar outros temas, como documentos da Igreja, CIC, etc… Para isso, deve-se considerar o perfil dos participantes e seus interesses.

 

Workshop MF – ENF 2018 – As duas linhas de ação para a formação na RCC (Cláudio Steula)

Logo MF

As duas linhas de ação para a formação na RCC

 

 

  1. O objetivo do Ministério de Formação (MF) é levar os participantes da RCC a crescer na fé e a viver um processo de santificação que os conduza à salvação.

 

  1. Precisamos, cada vez mais, entender como a formação proporciona este crescimento aos formandos para que possamos bem avaliar e aprimorar nossas atividades, identificar nela quais são os elementos essenciais, corrigir os desvios e promover uma formação que, de fato, nos ajude a alcançar o objetivo citado acima.

 

  1. A salvação se dá pelo conhecimento da verdade:
  • “Deus quer a salvação de todos pelo conhecimento da verdade. A salvação está na verdade.” CIC851
  • Auxiliar o homem a trilhar o caminho da salvação consiste, portanto, em instruí-lo sobre a verdade.
  • É por isso que a principal atividade do MF é ensinar a sã doutrina, os conteúdos da fé, enfim, a verdade para os formandos.

 

  1. Porém, os formandos não podem compreender, assimilar e viver a verdade sem o auxílio do Espírito Santo.
  • “Muitas coisas ainda tenho a dizer-vos, mas não as podeis suportar agora. Quando vier o Paráclito, o Espírito da verdade, ensinar-vos-á toda a verdade” (Jo 16,12-13)
  •  “é Ele (Espírito Santo) que no mais íntimo das consciências leva a aceitar a Palavra da salvação” (EN 75).
  • “É Ele que faz com que os fiéis possam entender os ensinamentos de Jesus e o seu mistério.” (EN 75)
  • “O Espírito Santo (…) dá ao coração do homem a graça do arrependimento e da conversão.” CIC1433
  •  “O Espírito Santo, por conseguinte, é prometido à Igreja e a cada um dos fiéis como Mestre interior, que no segredo da consciência e do coração faz compreender aquilo que se tinha ouvido, sem condições de o captar” (CT 72).

 

  1. Assim, para que a formação aconteça, é necessário que a pessoa:

5.a. Conheça a verdade;

5.b. Receba a ajuda do Espírito Santo para entender e para viver a verdade;

  • Ele nos ajuda a entender a verdade;
  • Ele nos ajuda a vivê-la, a nos recordar dela, nos dá força para vivê-la e nos mostra onde não estamos vivendo conforme a verdade.

 

  1. Então, em cada GO ou diocese, o MF cumpre bem o chamado de Deus quando atende às duas necessidades citadas acima (5.a e 5.b). Para isso, o MF:
  • Atende à necessidade 5.a quando zela para que, através dos nossos ensinos, a verdade seja transmitida da melhor maneira possível, de modo a facilitar sua plena compreensão.
  • Atende à necessidade 5.b quando propicia a ação do Espírito Santo no formador e no formando durante os encontros de formação, e leva o formando a viver a vida segundo o Espírito, para que ele viva a verdade que aprendeu.

 

  1. Todas ações do MF ganham importância a medida que atendem a uma destas necessidades (5.a e 5.b) ou as duas. O que não atende a nenhuma delas, deve ser considerado um ‘acessório’, isto é, algo de importância secundária.

 

  1. Das tarefas do Plano de Ação do MF, algumas atendem à necessidade 5.a, outras atendem à necessidade 5.b e outras atendem a ambas. Quais são elas?
  • Promover as Oficinas Permanentes” atende à necessidade 5.a, pois ajuda o formador a usar as técnicas como roteirização, verbalização, etc…, que auxiliam o formando a compreender o conteúdo transmitido.
  • Motivar os formadores a viver o projeto Amigos de Deus” atende à necessidade 5.b, porque este projeto propõe passos importantíssimos para que possamos viver a vida no Espírito e ser, assim, Seu instrumento.
  • Ministrar o Módulo Básico” atende à necessidade 5.a, pois este módulo se alicerça na doutrina católica ou, em outras palavras, se alicerça na Verdade;
  • Promover a identidade da RCC em todos os eventos…” atende à necessidade 5.b, pois nossa identidade pentecostal propicia o agir do Espírito no formando e no formador.

 

  1. Cada formador, por sua vez, também deve procurar crescer para atender a estas duas necessidades. Exemplo:
  • Para apresentar melhor a verdade durante os ensinos (necessidade 5.a), ele deve estudar os documentos, roteirizar, participar das oficinas, etc…
  • Para propiciar a ação do ES nele próprio, enquanto formador, e no formando (necessidade 5.b), ele deve pedir o Espírito Santo, rezar pelo ensino que irá ministrar, participar dos momentos de oração do encontro, e acima de tudo, deve buscar viver a vida no Espírito.

 

  1. Comentários:
  • Temos nos dedicado bastante à transmissão do conhecimento, uso das técnicas, procedimentos, etc… E tudo isso é muito bom! Temos nos preocupado com a estrutura do processo formativo! E isso é bom também! Porém, nesse tempo, Deus tem nos chamados a nos empenhar na busca da ação do Seu Espírito no serviço que ministramos. Portanto, precisamos nos dedicar também à espiritualidade. Precisamos vivê-la e ensiná-la.

 

  • A espiritualidade da RCC e a ação do Santo Espírito em nós não são ‘caixas pretas’, isto é, não podemos achar que é difícil demais falar sobre elas. E, como formadores, precisamos aprender sobre seus fundamentos e vive-los para podermos, então, ensiná-los.

 

  • As leituras sugeridas no Plano de Ação nos ensinam bastante sobre a nossa espiritualidade e sua aplicação no MF! É fundamental que os formadores de todo o Brasil às leiam e estudem, se possível, em grupos de estudos.

 

  1. Ás vezes, a espiritualidade na formação é tratada como menos importante. Muitas vezes, ela é negligenciada. Nos preparamos para ministrar um ensino como se não dependêssemos do Espírito Santo e investimos apenas em técnicas como se elas, sozinhas, garantissem o êxito da efetiva formação.

 

  1. Ás vezes, vemos a busca de unção sendo substituída por uma busca de emocionalismo. O foco passa a ser emocionar as pessoas e não formá-las verdadeiramente (a verdadeira formação pode até emocionar as pessoas, mas este não pode ser nosso foco).

 

  1. Hoje, Deus nos convida a aprender mais sobre Ele, sobre a pessoa do Espírito Santo e Sua ação na formação. Mais ainda, Ele nos convida a viver a vida na qual somos conduzidos pelo Espírito Santo.

Workshop MF – ENF 2018 – Plano de ação 2018 (Klaus Newman)

Irmãos Formadores e Formadoras da RCC Brasil!!!

 

Segue Plano de Ação MF 2018 para download!

 

Workshop ENF 2017 – Reunião Bimestral com os Membros do MF

Back to Top